Habitat Natural - Valorização de produtos endógenos



Rota da biodiversidade

A sobrevivência da humanidade depende da biodiversidade! Desde os alimentos aos medicamentos, passando pelo vestuário ou pela mobília que temos em casa, tudo depende da biodiversidade.

O Alto Minho é um território de enorme riqueza em termos de biodiversidade. Vacas, porcos, cabras, galinhas, cavalos, milho, feijão, couves, videiras, cidreira, carvalhos ou poejos, entre muitas outras espécies ou variedades, fazem parte de um vasto património genético que, sendo único, é também um elemento distintivo desta região encantada.

O homem da terra, na sua sabedoria imensa, foi durante gerações o guardião deste património inestimável. Foi ele que selecionou as melhores espigas para voltar a semear ou que alimentou a sua “vaidade” com a vaca mais aprumada e da melhor criação.

Cabe a todos nós a grande responsabilidade conservar este legado, promovê-lo e concorrer para o seu progresso genético.

Convidamo-lo a visitar os criadores da vaca cachena ou da cabra bravia, atravessar carvalhais onde brotam gilbardeiras e azevinhos que também abrigam cruza-bicos, salamandras e tartaranhões.

E porque esta viagem quer tempo, traga tempo!... Abanque-se e aprecie a riqueza da biodiversidade nas raridades gastronómicas que preparamos com esmero. Depois pernoite entre o céu e as montanhas...

... e nunca mais se esquecerá!!!

É necessário fazer reserva antecipada: Mínimo: 4 pessoas; Máximo: 20 pessoas
Arcos de Valdevez - Portugal - Tel.911833616/927227473



Rituais do pão no Alto Minho

O pão sempre foi um elemento absolutamente essencial na alimentação dos povos. O pão e o vinho foram talvez os primeiros alimentos processados na história da humanidade e hoje fazem parte da dieta alimentar de milhões de pessoas.
Há registos de que as primeiras espigas de milho chegaram a Espanha por volta de 1493, pelas mãos de Cristovão Colombo e, a partir daí, o cereal espalhou-se por toda a Europa.
Em Portugal, foi introduzido pela região do Minho e o seu cultivo depressa se generalizou e passou a fazer parte da alimentação humana.
A broa, ou pão de milho que ainda se confeciona um pouco por todo o país, tem características diferentes de região para região. Tradicionalmente na região do Minho, leva farinha de milho e de centeio numa proporção de 3 partes de milho para uma de centeio.
A broa de milho de Arcos de Valdevez está catalogada pela "Ark of Taste" da "Slow Food Foundation for Biodiversity" no grupo restrito dos melhores produtos agroalimentares que se produzem em todo o planeta.
Sendo o pão um bem tão precioso, precisa de ser protegido, existindo para isso uma série de rituais que lhe garantam uma cozedura sem problemas de maior.

Fazemos visitas programadas para demonstração do processo completo da confeção da broa de milho tradicional.

É necessário fazer reserva antecipada
Mínimo: 4 pessoas
Máximo: 20 pessoas


Arcos de Valdevez - Portugal - Tel.911833616/927227473





Novembro - Abertura oficial da época do cozido!

"Comeram-se duas fornadas de pão, os presuntos e chouriços de três cerdos, e beberam-se mais de vinte almudes".
Aquilino Ribeiro in: "A casa grande de Romarigães"

...E para que o banquete não se fique por aqui há outro repasto farto que, entre outras coisas, inclui broa de milho tostada, morcela, salpicão, chouriça de vinho tinto, presunto de porco bísaro e azeitonas curtidas. "Pitéusinhos que nos fazem esquecer das misérias humanas", no dizer de Aquilino. Sem esquecer os "infalíveis" bolinhos de bacalhau, que na ficção "estavam de morrer por mais", segue-se ainda a feijoada com "muita molhanga e pimentinha" ou nacos de cachena da Peneda com batata a murro e "as rijas pançadas de broa rural". No final, um arroz doce "com polvilhamentos de canela sobre brancuras de jaspe" e leite creme, seguido de um café mexido à colher na cafeteira negra como piche.
E que tenham muito bom proveito!   


É necessário fazer reserva antecipada
Mínimo: 4 pessoas
Máximo: 20 pessoas
Apenas de novembro a abril


Arcos de Valdevez - Portugal - Tel.911833616/927227473